Olhar ao alto

Abril 10, 2011 § Deixe um comentário

Esta é a vista que tenho diante de mim, todos os dias, a caminho do trabalho.

Às vezes está diante de mim e não a vejo, porque preciso de levantar o olhar, despregá-lo do chão.

Mas, as colinas de Lisboa pregam estas rasteiras, como nesta rua que desço e onde te vejo, de braços a abertos, recordando-me que estamos todos diante de ti, que nenhum de nós pode escapar da tua mão, do teu cuidado.

Foi há um mês que esta vista encantou um Australiano que disse que era óptimo ter esta imagem no horizonte, a servir de bússola. Eu calei-me. Quando é que eu deixarei de gravitar em torno da minha órbita limitada e passo a guiar-me pela bússola dos braços abertos do meu Senhor, que quer ser Deus connosco?

É bom olhar para esta imagem de uma cruz feita de braços abertos e ouvir as tuas palavras: “E Eu, quando for erguido da terra, atrairei todos a mim” (Jo 12, 32).

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

What’s this?

You are currently reading Olhar ao alto at tempo comum.

meta