meio-dia

Junho 20, 2012 § Deixe um comentário

Só mais esta, porque é linda e ando a recitá-la, quando faço uma pausa a meio do dia de trabalho. Às vezes, é bom parar a meio-dia, a hora da pergunta, a hora em que nada é impossível, a hora do compromisso, quando se pode dizer sim ou não e começar o novo.

minha liberdade
por muito tempo te guardei
como uma pérola rara

foste tu que me ajudaste
a soltar as amarras
para ir…
para ir até o fim dos caminhos

diante das tuas vontades
a minha alma era submissa
eu ter-te-ia dado tudo
até a minha última camisa
e quanto sofri
para satisfazer as tuas exigências
mudei…
perdi…
para ganhar…

minha liberdade
tu soubeste desarmar
todos os meus hábitos
minha liberdade
tu que me fizeste amar
até a solidão
e a indigência
tu que me fizeste sorrir
quando eu queria pôr um fim
a uma bela aventura
tu que me protegeste
quando eu ia esconder-me

minha liberdade
sempre que eu te deixar
sempre que eu desertar
os caminhos que seguimos juntos
faz-me regressar a Ti, minha liberdade
minha indigência

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

What’s this?

You are currently reading meio-dia at tempo comum.

meta